Poesia de Outrem – Ângelo Monteiro

A ANUNCIADA – Ângelo Monteiro

 

No princípio eras o nome
Que eu dava ao que amava mas desconhecia.
Fora do tempo e virgem na memória
Eu te anunciava assim: louvor e círio.

No princípio eras o nome
Que eu palpava em delírio no meu sono
Para acordar depois sobre o vazio.

Eu te chamava Irmã
Sem que ninguém notasse a quem eu chamava
E me olhavam surpresos os que me viam.

Eu te chamava Amiga
E continuava a caminhar sobre o deserto
Que a minha sombra ainda mais enegrecia.

Eu te chamava Amada
E – pedra intacta – em minha solidão
Nenhum raio descia.

Teu segredo eu guardava em meu segredo
Na chama que me devorava
Ao mesmo tempo que me protegia.

Por um acaso toquei-te a superfície
Com a ponta do meu cetro estilhaçado.
Minhas asas feriram-te: sim, sou tua guarda
Depois de descobrir-te atrás do nome
Que brilha sob o sol, ó Sóror, ó Amiga.

No princípio eras o nome
E foram em tuas mãos, banhadas de palavras,
Que reencontrei a tua face.

No princípio eras o nome:
Portanto só pela palavra me virias
Em forma de presença e redenção.

Anúncios

Um pensamento sobre “Poesia de Outrem – Ângelo Monteiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s