Trecho de um texto esquecido

Eu dizia que não quero ser escritora. E há querer? Ao ato, ninguém pode fugir porque palavra e memória cercam como lobos atrozes e devoram, a partir de dentro, do útero, e sugam das veias, da medula. Não há como fugir da lembrança daquele morangozinho que estava nascendo e um fungo corroeu; nem meus olhos perdidos em lágrimas e meu pai explicando técnicas de como envolver o frutinho – logo que a flor cai – em uma pequena bolsa plástica, isso garantindo toda uma produção de morangos, resultando de um apelido a mim dado: moranguinho. Como enxotar esses fantasmas em vida, minha vida, senão os transformando em palavras que nada dizem, ou pouco dizem, ou dizem apenas  mim?

E por que ousar o que não quero? Advirto-me. Por que escrever algo a mais que estes pensamentos fugidios?

Para que sentir as dores do mundo, se as minhas já fazem meu corpo pender para o lado, uma corcunda de existência, tecida por laçadeiras invisíveis:, eu, todo um aglomerado de cânceres de mim mesma, com unhas crescidas e cabelos despenteados por todo o tempo?

Por que perseguir esse status de escritor? Esse privilégio de poucos para poucos, que sequer as pessoas entendem, sequer leem, apenas, algumas, amontoam  livros em suas estantes, na busca de um status, também tão vazio, de leitor…

Virgínia Celeste Carvalho

Anúncios

Trilha Sonora da Casa – Kill it Kids

A Casa está muito habitada, esses dias. E com esse barulho de avaliações na faculdade; de orientação de alunos e alunas; de mais dois gatinhos bebê para cuidar… Não consigo escrever poesia. Sem falar que me mudei para Azeroth e, quando vou por lá, difícil voltar.

Fato é que não tenho escrito nada poético “publicável” aqui. (Tenho escrito bastante um monte de outras coisas, que pediriam outro tipo de blog…). Enfim, deixo com vocês uma banda que conheci ano passado…

Escolhi essa música, Fool for love  you, porque, putz, o mais legal da banda é justamente você ver a imagem deles e ouvir vozes que não esperava…

Entretanto, a música que eu mais gosto é outra… Dirty water…

“Mother says:
‘Don´t touch his hands’
she says:
‘Don´t wear that dress’
I said:
PLEASE!”

*-* Dirty water tastes so sweet *-*