A menina e sua árvore

A Juli e Sandro.

 

Ideias nascem em árvores.

Eu disse e a menina olhos cor mel me olhou. Usava um vestido de corte simples, de tecido barato e tinha pés descalços. Mas os olhos dela eram felinos e me senti meio um ratinho acuado no canto da parede. A menina me devoraria com aquela expressão inquisidora de quem quer mais. Menina-general.

Ideias nascem em árvores. É só cultivar algumas dentro de você.

Ela me perguntou onde conseguir sementes, mesmo que nenhuma palavra fosse dita. E me perguntou onde conseguir um aguador. E um ancinho. E até mesmo quis saber sobre estrume. Quanto mais me engolia, mais se vestia de questões. E até tive certeza de que minhas respostas seriam insuficientes.

Ideias nascem em árvores. É só cultivar algumas dentro de você. Cada ideia lida ou conversada é uma semente, menina.

Ainda não contente, a menina de olhos cor de mel me olhou angustiada. Tão angustiada que quase não compreendi a última questão, desdobrada em três, que seu olhar me fazia: se ideias nascem em árvores, por que todo esse sentimento de vazio que sentimos, mesmo depois de tanto esforço em semear? Por que esse espaço-silêncio? Por que essa falta do que dizer?

Ideias nascem em árvores. É só cultivar algumas dentro de você. Cada ideia lida ou conversada é uma semente, menina. Quanto ao vazio… Quanto ao silêncio… É “porque temos mais ideias do que palavras para expressar*”.

A menina só então viu que havia uma árvore primaveril dentro si. Estrondosa, mas ainda inominada.

 

Virgínia Celeste Carvalho

—–

* Citação de Paul Ricoeur.

Anúncios

Um pensamento sobre “A menina e sua árvore

  1. eu escrevi assim, a partir do teu texto…

    Ideias nascem em árvores.

    Eu disse a menina olhos cor mel olhou “bom dia” usava um vestido de corte simples tecido barato pés descalços os olhos felinos fizeram-me sentir meio um ratinho acuado no canto da parede a menina me devoraria se eu deixasse que o medo aflorasse aquela expressão inquisidora de quem quer mais menina-general ela não disse nada

    Ideias nascem em árvores é só cultivar algumas continuei

    Ela me perguntou onde conseguir sementes, mesmo que nenhuma palavra fosse dita e onde conseguir um aguador e um ancinho e até mesmo quis saber sobre estrume quanto mais me engolia, mais se vestia de questões e tive a certeza de que minhas respostas seriam insuficientes

    Ideias nascem em árvores é só cultivar algumas dentro de você.

    cada ideia lida conversada imaginada é uma semente, menina disse

    Ainda não contente a menina de olhos cor de mel angustiada tão angustiada que quase não compreendi a última questão desdobrada em três se ideias nascem em árvores, por que todo esse sentimento de vazio que sentimos, mesmo depois de tanto esforço em semear? Por que esse espaço-silêncio? Por que essa falta do que dizer?

    Ideias nascem em árvores. É só cultivar algumas dentro de você quanto ao vazio quanto ao silêncio é porque temos mais perguntas do que respostas algumas dessas perguntas são não-perguntas não têm resposta-humana não podem ser perguntas

    a menina viu que havia uma árvore primaveril dentro si Estrondosa esvaziou o corpo até ao sossego deitou-se à sombra e serviu um desejo as palavras servem para contar histórias simples de quem simples se cobre de vida

    Franz E. a partir de Virgínia Celeste Carvalho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s